• Adriana Tanese Nogueira

A BANALIDADE DO MAL E O LIVRE ARBÍTRIO

Hannah Arendt (1906-1975), filósofa e teórica política alemã, em seu livro “Eichmann em Jerusalém” adicionou um subtítulo que fez história: “Um relato sobre a banalidade do mal”. Eichmann foi um SS da Alemanha nazista e um dos principais organizadores do Holocausto. Sua função era administrar a logística das deportações em massa dos judeus para os guetos e os campos de extermínio no Leste Europeu durante a Segunda Guerra Mundial. Graças ao seu trabalho milhões de judeus e discriminados foram assassinados.

Em 1961, houve o julgamento de Eichmann em Jerusalem. Arendt presenciou às sessões que duraram meses, publicando relatos no New York Times, jornal para o qual escrevia. De frente para o inimigo nazista, Arendt se deparou com um indivíduo que não apresentava traços antissemitas ou características advindas de um caráter distorcido ou doentio. Ela observou que Eichmann agiu segundo o que ele acreditava ser o seu dever. O objetivo do oficial era fazer carreira e assim cumpria as ordens sem questionar e com o maior zelo. Não se perguntava sobre o que ele estava fazendo. Questões da ordem do Bem e do Mal não o tocavam, não lhe diziam respeito.

Que homem é este?

Um dos maiores axiomas do cristianismo desde suas origens é o conceito de “livre arbítrio”. Poder escolher, aliás, ter que escolher, é a característica do ser homem. Homem é aquele faz uma escolha porque ele tem escolha.

“Tem escolha” – em teoria.

Porque para se ter escolha é preciso ter consciência, ou seja, ter consciência de si como indivíduo distinto da massa, do grupo e não identificada com uma autoridade alheia.

Para ter consciência é preciso tomar consciência o que só ocorre após aquela coisa que muitos temem que se chama questionar. Questionar corresponde a duvidar de algo dado, fazer perguntas para entender, para saber mais, para avaliar...

Ao fazer funcionar o próprio cérebro (sem pegar emprestado o cérebro de algum outro sujeito), um indivíduo necessariamente vai começar a inquirir e a querer saber. Se desejar pensar por si terá que avaliar por si mesmo as razões, os porquês e os “se”. Isso se chama liberdade de pensamento.

A liberdade de pensamento é a condição indispensável para a “hominação”, o fazer-se homem. Mas pensar não é fácil. Pensar é trabalhoso, por isso, escreveu C. G. Jung, as pessoas preferem julgar no lugar de pensar – ou nem isso, simplesmente acatar ordens e agir como autômatos.

Pensar é um termo que deriva do latim “pensum” que é o particípio do verbo “pendere”: “pesar”. Referia-se a uma certa quantidade de lã que era pesada para depois ser encaminhada para a fiadeiras que haveriam de tratá-la. O pensar era, portanto, a matéria prima que apontava metaforicamente a algo que havia de ser tratado e elaborado, recebendo assim uma nova forma. Imaginem o trabalho!

A atividade do pensamento vem antes das coisas pensadas e corresponde ao trabalho de pensá-las, pesá-las, avaliá-las, contemplá-las sob vários aspectos e diferentes lentes, questioná-las, reconsiderá-las. O pensar produz pensamentos compostos, tridimensionais no mínimo. Pensar permite enxergar a complexidade da realidade.

E aqui nos deparamos com “O Problema”. Enxergar a complexidade da realidade é para espíritos fortes. Só quem tem estrutura psíquica estável e minimamente madura, sabe conviver com o sim e o não, o branco e o preto, o talvez e o quem sabe, ou seja, com as muitas facetas que compõem o real. Para as crianças oferecemos um mundo simplificado porque elas não possuem desenvolvimento cognitivo e emocional suficiente para captar a verdadeira face do mundo. Elas precisam se escorar no adulto e em sua visão de mundo. Necessitam de um líder para seguir no qual tenham confiança para não ter que se questionar a toda hora sobre o que fazer e como fazer, já que lhes falta dados e condições para tomar decisões conscientes e maduras.

E é assim que encontramos crianças de 5, 10, 18, 30, 40, 50 e 60 anos delegando a responsabilidade sobre seu livre arbítrio consciente para indivíduos que lhes dizem o que é o bem e o mal para que elas não tenham que decidir com suas próprias cabeças. Simplificam a vida para poder continuar, como as crianças, a fazer “suas coisas”, deixando que os adultos da casa cuidem “dos problemas da vida”.

E é assim que chegamos a fazer do mal uma banalidade, tolerada como se tolera o papai bebendo na sala, a mamãe gritando na cozinha, o vizinho tocando nossos genitais, as crianças abandonadas na rua da frente, a sujeira das calçadas, as mentiras dos amigos, os preconceitos da escola, os gritos dos animais, o cinza do céu, as balas perdidas e o lixo na praia.

Não precisamos saber tudo, seria impossível. Mas podemos saber do que está à nossa volta e neste pequeno contexto, nessa grama de realidade que nos pertence agirmos como indivíduos pensantes livres e, portanto, responsáveis. Basta isso para exterminarmos a banalidade do mal.

Adriana Tanese Nogueira - Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, intérprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto (www.asmigasdoparto.org), do AELLA - Instituto Internacional Ser&Saber Consciente (www.institutossc.com) e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321


Photo byTom BarrettonUnsplash


29 visualizações1 comentário

Nota a alunos e interessados: Informamos que todas as mensagens recebidas via WhatsApp e e-mail serão respondidas dentro de 48 horas úteis. Mensagens recebidas no final de semana serão respondidas na segunda feira. Lembramos que o nosso horario de atendimento é de segunda a sexta das 9:00 às 19:00 de Brasília.

Desde já agradecemos pela compreensão.

 

Diretoria AELLA

AELLA - Instituto Internacional de Educação Psicológica e Espiritual

Empresa mantenedora: AELLA - Internacional Institute Of Psychological and Spiritual Education

Registration Number: G20000111943

Endereço: 3200 N Federal Hwy 206-19. Boca Raton, FL 33431 - USA

Email: info@institutossc.com

Celular/WhatsApp: + 55 11 9 6020 7474 (Cláudia)

Responsável: Adriana Tanese Nogueira

  • YouTube - Black Circle
  • Facebook Basic Black
  • Instagram Basic Black