• Adriana Tanese Nogueira

CRIANÇAS FORA DE CONTROLE

As crianças estão se tornando sempre mais reclamonas, arrogantes, desagradáveis e violentas. Segundo Jacob Azerrad, Ph.D., e Paul Chance, Ph.D., especialistas americanos em comportamento infantil, estamos diante de uma epidemia de crianças sempre mais fora de controle. E este comportamento na infância preconiza problemas sérios mais para frente. Na adolescência, temos desinteresse nos estudos, drogas e depressão.


O que está acontecendo? Algumas razões sugeridas são: dietas com alto teor de açúcar, toxinas no ambiente, alergias, programas televisivos e desordens psiquiátricas. Mas é interessante observar que esse fenômeno é tipicamente americano (e espalhado a outros países da América Latina, sobretudo Brasil), mais do que europeu. A psicóloga Tiffany Field, Ph.D., da Escola de Medicina da Universidade de Miami, descobriu que na França crianças e jovens se comportam de forma admirável comparada às crianças americanas. Lá a agressividade para com os colegas é 1% do tempo enquanto que nos EUA é 29% do tempo.


Nenhuma pesquisa dá suporte às razões acima listadas, e, portanto, parece que a principal origem do mau comportamento deve ser encontrada na forma como as crianças são criadas. Alguns estudos têm mostrado que o problema comportamental das crianças é geralmente o resultado da visão equivocada dos adultos quando focam sua atenção sobre a realidade da criança. Por exemplo, uma criança cai no chão e chora, ou alguém pega seu brinquedo e ela chora. A professora (ou mãe ou pai) oferece conforto (quanto conforto? qual sentimento transmite à criança?) e assim faz toda vez que a criança chorar.


Talvez é por isso mesmo que ela chora... Talvez a criança esteja precisando de atenção em outros aspectos de sua vida que ela não sabe expressar e utiliza determinadas situações para receber essa atenção (já que viu que funciona), sem nunca de verdade resolver a origem da carência. Ou a criança fica impressionada com o evento que lhe ocorreu porque vê o adulto particularmente preocupado e então ela deduz que o que lhe aconteceu merece muito choro/sofrimento. Ou enfim, a criança percebe que chorando ela consegue modificar o ambiente e está testando seus poderes de sujeito, e assim manipulando o adulto (sem necessariamente más intenções).


O adulto por sua vez acha que está sendo amoroso quando está na verdade está ensinando à criança que chorar é o jeito dela ter a atenção do adulto, ou que ela é frágil e incompetente e precisa de constante e intenso conforto para superar as desavenças da vida...


Dentro da perspectiva psicológica comportamental e cognitivista americana, a solução consiste em premiar o comportamento bom e ignorar o negativo, dando atenção ao que queremos que seja valorizado e assimilado pela criança e desconsiderando o que não é produtivo. A esta perspectiva gostaria de acrescentar uma visão mais profunda do que está em jogo pois não somos simples peças de um xadrez reagindo às reações alheias. Isso significa que, como dito acima, a criança que chora muito ou o jovem que perturba as aulas, podem estar apresentando um mal-estar real no lugar e situação errada porque perderam a noção do que realmente os perturba por não terem recebido a atenção para o que lhes era importante.


Infelizmente, é verdade que se tende a dar mais atenção aos comportamentos errados e focar dando conforto quando a criança é pequena ou reprimindo o comportamento quando a criança é mais velha ou simplesmente não temos tempo e vontade de prestar atenção ao que está de fato acontecendo por trás daquele comportamento.


Os comportamentos precisam ser “controlados” sem prender a alma da criança: este é o desafio. Para tanto, os pais precisam: 1) aprender um pouco sobre psicologia infantil; 2) aprender um pouco sobre si mesmos.




Adriana Tanese Nogueira - Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, intérprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

3 visualizações

Nota a alunos e interessados: Informamos que todas as mensagens recebidas via WhatsApp e e-mail serão respondidas dentro de 48 horas úteis. Mensagens recebidas no final de semana serão respondidas na segunda feira. Lembramos que o nosso horario de atendimento é de segunda a sexta das 9:00 às 19:00 de Brasília.

Desde já agradecemos pela compreensão.

 

Diretoria AELLA

AELLA - Instituto Internacional de Educação Psicológica e Espiritual

Empresa mantenedora: AELLA - Internacional Institute Of Psychological and Spiritual Education

Registration Number: G20000111943

Endereço: 3200 N Federal Hwy 206-19. Boca Raton, FL 33431 - USA

Email: info@institutossc.com

Celular/WhatsApp: + 55 11 9 6020 7474 (Cláudia)

Responsável: Adriana Tanese Nogueira

  • YouTube - Black Circle
  • Facebook Basic Black
  • Instagram Basic Black